Bancos de madeira recuperados

O espaço público deve ser cuidado como cuidamos da nossa sala de estar, onde recebemos os amigos e as pessoas de que gostamos. Assim, é cada vez mais importante cuidar do espaço que é de todos nós e o mobiliário urbano é uma peça estrutural na sua construção. 

A Junta de Freguesia decidiu implementar um plano de recuperação em que esta primeira fase inclui a reparação de 50 bancos de madeira, onde vamos proceder a tarefas de limpeza, com desbaste com lixa e de seguida a respetiva pintura ou envernizamento. Alguns deles serão também alvo de substituição de peças que foram danificadas e algumas, infelizmente, vandalizadas. 

Os bancos alvos de intervenção encontram-se distribuídos por 10 arruamentos da freguesia, de acordo com a listagem a seguir:

  • Av. Conde de Valbom = 19 unidades, entre os números 18 e 30 e 46 e 124, incluindo o cruzamento com a Av. Visconde de Valmor
  • Av. Marquês de Tomar = 4 unidades, no separador central entre os números 44 e 54
  • Av. Fontes Pereira de Melo = 1 unidade, no cruzamento com a Av. Sidónio Pais
  • Rua Cardeal Mercier = 2 unidades, no cruzamento com Rua Soeiro Pereira Gomes
  • Av. das Forças Armadas = 6 unidades, entre os números 107 e 109
  • Rua Marquês de Fronteira = 3 unidades, no cruzamento com a Rua Fialho de Almeida
  • Rua Alberto de Sousa = 4 unidades, frente aos números 2, 8 e 25, no cruzamento com a Rua da Beneficência
  • Rua Carlos Reis = 1 unidade, frente ao número 2
  • Rua da Beneficência = 6 unidades, frente ao número 173 – Caixa Geral de Depósitos – e, do lado sul, entre a via-férrea e o Hospital Curry Cabral
  • Rua Francisco da Holanda = 4 unidades, frente aos números 2, 47 e 44 (em volta das duas árvores na escadaria da rua)

O mobiliário do espaço urbano é pertença de todos nós, é património nosso, seu. 

Não permita que seja vandalizado.