Recuperação dos bancos da Freguesia

Os bancos que encontramos no espaço público cumprem várias funções importantes. Numa freguesia como a de Avenidas Novas, onde facilmente percorremos vários quilómetros a pé, os bancos permitem-nos descansar, mas são também um ponto de encontro e um lugar de convívio.

Daí, a importância da empreitada de recuperação de mobiliário urbano no espaço público da Freguesia de Avenidas Novas, que teve início em dezembro de 2019 e se prolongou até ao presente mês de março. Os trabalhos abrangeram a reparação e a substituição das ripas de madeira de 51 bancos, que, após análise técnica, foram considerados em mau estado de conservação.

Onde possível, e em nome da sustentabilidade, realizou-se o aproveitamento das ripas de madeira, que foram totalmente recuperadas, através da limpeza, da remoção da tinta existente, do tratamento e do envernizamento das peças. 


As ripas de madeira que se encontravam muito apodrecidas, não sendo recuperáveis, foram substituídas por peças em madeira novas, tratadas e envernizadas. Foram ainda substituídos os parafusos de fixação das ripas às estruturas dos bancos.

Os bancos que foram objeto desta intervenção distribuem-se  por 10 arruamentos da Freguesia, nomeadamente: Av. Conde de Valbom, Av. Marquês de Tomar – Av. Fontes Pereira de Melo, Rua Cardeal Mercier, Av. das Forças Armadas, Rua Marquês de Fronteira, Rua Alberto de Sousa, Rua Carlos Reis, Rua da Beneficência e Rua Francisco da Holanda. Foi ainda realizado o nivelamento de dois bancos existentes na Rua da Beneficência, junto à CGD.

Os bancos da Av. Conde de Valbom, que também fizeram parte desta primeira fase de recuperação do mobiliário urbano, têm um caráter especial, pois fazem parte do projeto de pedonalização desta avenida, da autoria do arquiteto paisagista Rui Valada e realizada em meados dos anos 90, como contrapartida pela construção e exploração do parque de estacionamento subterrâneo. Estes bancos pertencem ao projeto original, provêm da marca portuguesa Altamira, e nunca tinham sido intervencionados. Dada a sua idade, apresentavam graves patologias, destacando-se o apodrecimento das ligações entre ripas, pelo que se tornava essencial e urgente a sua recuperação.
O trabalho de manutenção e reparação do mobiliário urbano vai continuar, tendo já sido delineado o plano de trabalho para as fases posteriores. 
Entretanto, aproveite as suas Avenidas Novas para passear e os seus bancos para repousar e conviver.