Escola MALA, no Bairro Santos, volta a acolher filhos de trabalhadores essenciais

Na sequência do encerramento das atividades letivas, Manuel Grilo, responsável pelo pelouro da Educação e Direitos Sociais da Câmara Municipal de Lisboa, anunciou que os filhos até 12 anos de trabalhadores dos serviços essenciais – que não podem exercer a sua atividade em regime de teletrabalho – voltam a ser acolhidos em nove escolas de Lisboa, nomeadamente na Escola Básica Mestre Arnaldo Louro de Almeida, da Freguesia de Avenidas Novas. Isto permitirá aos cidadãos que asseguram serviços essenciais em áreas como a saúde, a higiene urbana ou a segurança, entre outras, deixarem os seus filhos em boas mãos enquanto prosseguem a sua importante missão.

Durante este mesmo período, as escolas garantirão as refeições diárias (almoço e lanche) às crianças dos escalões A e B da Ação Social Escolar, bem como aos alunos que têm necessidades de saúde especiais. As refeições estarão disponíveis em regime de take-away, nos dias úteis, entre as 12h e as 13h30.

As escolas de acolhimento são as seguintes:

AE Vergílio Ferreira – EBI S. Vicente de Telheiras

AE Gil Vicente – Escola de Sta. Clara

AE Marquesa de Alorna – EB Mestre Arnaldo Louro de Almeida

AE Patrício Prazeres – EB Patrício Prazeres

AE Prof. Lindley Cintra – Escola Secundária do Lumiar

AE Restelo – Escola Secundária do Restelo

AE Luís de Camões – EB Leão de Arroios

AE Nuno Gonçalves – EB Natália Correia

AE Piscinas dos Olivais – EB Paulino Montez