LISBOA À CONVERSA COM ANA TOSTÕES

onde se fala de Lisboa, do potencial futuro e do estimulante passado,

de Lisboa do Tejo e tudo [Álvaro de Campos, Lisbon Revisited]

Albricias, señores, albricias pido y albricias merezco!¡Tierra! Tierra! Aunque mejor diría cielo!, cielo!, porque sin duda estamos en el paraje de la famosa Lisboa.(… ) La ciudad es la mayor de Europa y la de mayores tratos; en ella se descargan las riquezas del Oriente, y desde ella se reparten por el universo; (…) finalmente, ésta es la tierra que da al cielo santo y copiosísimo tributo.​

Miguel de Cervantes, in Los trabajos de Persiles e Sigismunda

(1617, obra póstuma; cap.I, Livro III)

Esta entusiástica descrição de Cervantes dá-nos a ideia da magnitude de Lisboa na altura em que disputou com Sevilha (e depois com Madrid) o concurso para capital da Ibéria. Pode pensar-se que Cervantes era um exagerado, mas não é difícil imaginar a cena buliçosa e exuberante descrita para confirmar a importância de Lisboa, a partir de quinhentos, como cidade ribeirinha e marítima. Como se as condições naturais determinassem a vocação do sítio: de finisterra da Europa, Lisboa transformava-se na charneira do Universo. Os números são significativos para entender o acréscimo da dinâmica urbana: os 60 mil habitantes do século XV passam a 80 mil no século seguinte para atingirem os 150 mil em seiscentos.

Hoje, Lisboa é uma cidade reconhecida mundialmente pelo encanto único da sua atmosfera, luz e paisagem, da sua arquitetura e urbanismo inovadores!

Para falar sobre o futuro de Lisboa, Ana Tostões convida historiadores e arquitectos, profundos conhecedores da cidade e da sua história para uma conversa no CIUL - Centro de Informação Urbana de Lisboa. Estão convidadas as historiadoras Maria Calado e Raquel Henriques da Silva, e os arquitetos João Luís Carrilho da Graça e Gonçalo Byrne.

Para mais informações e inscrições: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.