Policiamento Comunitário no Bairro Santos vai ser uma realidade

A fim de dar sequência à implementação do Policiamento Comunitário no Bairro Santos ao Rego – iniciada no ano passado e interrompida pela pandemia – segunda-feira, 2 de fevereiro, a presidente Ana Gaspar teve uma reunião (em videoconferência) com a Polícia Municipal. O policiamento comunitário tem provas dadas noutros territórios da cidade de Lisboa e será mais um elemento para reforçar a segurança, a prevenção e a redução das incivilidades naquele bairro da Freguesia de Avenidas Novas. A reunião contou, da parte da Polícia Municipal, com Mónica Diniz, que dirige o Núcleo de Prevenção, Segurança e Relações Internacionais daquela força, Verónica Neves, do mesmo departamento, e ainda o chefe Joaquim Gordicho. Do lado da Junta Freguesia, a acompanhar Ana Gaspar, estiveram o vogal Venâncio Rosa e o assessor da presidente, Pedro Oliveira.

Dado que este tipo de policiamento envolve toda a comunidade, já fora criado o Grupo de Segurança, que inclui, para além da Polícia Municipal e da PSP, interlocutores como a Junta de Freguesia, as associações de moradores e de comerciantes, as IPSS, as ONG, os próprios cidadãos e ainda instituições como a Universidade Nova de Lisboa ou a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

Quando a pandemia obrigou à manutenção exclusiva dos serviços essenciais, o plano de formação destes participantes teve de ser suspenso. Neste momento, vivemos uma crise sanitária ainda mais grave, porém, foi lembrado na reunião que o projeto está vivo, dependo unicamente da evolução do combate à pandemia para retomar a sua dinâmica. Ficou decidido, logo que possível, iniciar os módulos online da formação para os elementos constituintes do Grupo de Segurança. Ana Gaspar é categórica: “Estamos a trabalhar em todos os níveis para aumentar a segurança das Avenidas Novas e vamos continuar a colaborar com a Polícia Municipal para tornar o policiamento comunitário no Bairro Santos uma realidade, assim a segurança sanitária o permita.”